Monte da Santinha / Monte de Nossa Senhora da Paz
Povoado da Pré-História recente; Povoado fortificado      Cronologia: Pré-História Recente / Proto-História

Lugar :
Freguesia : Amares
Concelho : Amares
Código Administrativo : 030101
Latitude : 518,3
Longitude : 182,3
Altitude : 195m

Acesso : O acesso ao povoado pode fazer-se a partir de Amares por caminho municipal até ao alto do monte onde se encontra a Capela da Srª da Paz.

Quadro físico : Outeiro na encosta sudoeste do Monte de Santiago, com boas condições naturais de defesa e visibilidade sobre o vale do Cávado. Apresenta uma plataforma superior no sentido Nordeste/Sudoeste com afloramentos a Nordeste. Vertentes abruptas a Noroeste, Oeste e Sul.

Trabalhos Arqueológicos : Foram realizadas escavações, dirigidas por Ana M. S. Bettencourt, em 1993 e 1994.

Descrição arqueológica : O monte da Santinha foi visitado, em 1943, por Arlindo da Cunha que detectou restos do que interpretou como muralha ciclópica. Esta estrutura adossava aos vários afloramentos graníticos, ligando-os entre si. Diz, por essa altura, "Os fragmentos de cerâmica antiga (...) não eram tantos em número nem tão característicos que logo permitissem uma segura classificação." Mais tarde identifica cerâmicas que classifica como "castrejas" e romanas. Nas prospecções e escavações realizadas, pela signatária, na plataforma superior e no início da encosta Sul foram encontrados artefactos atribuíveis a três grandes momentos cronológicos a saber: Calcolítico, Idade do Bronze e Idade do Ferro. Do período mais antigo apenas se registou espólio descontextualizado. Da Idade do Bronze, detectaram-se dois momentos de ocupação, inseríveis, pela cultura material e pelo radiocarbono, no 1º quartel do I milénio A.C. Os raros fragmentos integráveis na Idade do Ferro, também descontextualizados, não permitem supor ocupação efectiva, pelo menos neste sector do povoado. Nas restantes zonas do monte, o forte índice arbóreo e arbustivo e as enormes pedreiras impossibilitaram qualquer prospecção.

Interpretação : Povoado pré e proto-histórico.

Depósito : Museu D. Diogo de Sousa

Bibliografia

Autor : Ana M. S. Bettencourt

Data Última Actualização : 04-FEV-1998